da Terra e do Território no Império Português

Início » Sisal » Sisal

Sisal

Agave sisalana Perrine, sinónimo de Agave rigida Miller, Agave rigida Baker, Agave sisalana var. rigida. Espécie do género Agave, família das Agavaceae, ordem Agavales. Planta xerófita com origem conhecida na Península do Iucatão, no México, dela se extrai a fibra com o mesmo nome. Desde 1887 há registo da sua disseminação pelos impérios europeus em África e na Ásia, bem como pelo continente americano, na medida em que cresceu o valor internacional das fibras duras, através da rede que então se constituía entre jardins botânicos, interesses económicos e ciências agronómicas. Como a juta, abacá e henequen, os usos do sisal incluíam a cordoaria (em especial náutica e agrícola), a sacaria e a tapeçaria. Depois da Segunda Guerra Mundial, no decorrer de um processo de difusão e optimização da produção nas plantações africanas de sisal, não raro sob medidas de protecção económica e com mobilização de trabalho forçado, assinalou-se uma grave crise de sobreprodução na década de 1960, quando também o mercado mundial sofria os primeiros efeitos da concorrência das fibras sintéticas. Os plantadores procuraram diversificar o produto e os seus usos, de forma a acautelar investimentos feitos em infraestruturas e na instalação das plantações, onde além dos campos funcionavam viveiros e fábricas para extracção e transformação primária da fibra. Deu-se então início ao processo de concertação intergovernamental no qual participaram representantes do sector das fibras duras, por intermédio da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação. No contexto do império português, o sisal foi importante na economia de Moçambique e Angola. [A: Inês Neto Galvão, 2015]

Bibliografia: Brockway 1979; Clarence-Smith 1985; Galvão 2013; Sabea 2008; Westcott 1984.
doi: 10.15847/cehc.edittip.2015v050

Anúncios