da Terra e do Território no Império Português

Início » Bibliografia

Bibliografia

LISTA COMPLETA DAS REFERÊNCIAS CITADAS NOS VERBETES
(inclui bibliografia e fontes)

Ab’Sáber, Aziz Nacib. 2003. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial.

Abeyasinghe, Tikiri. 1974. A study of portuguese regimentos on Sri Lanka at the Goa archives. Colombo: National Archives.

Abeyasinghe, Tikiri. 1986. Jaffna under the Portuguese. Colombo: Lake House.

Abreu, Alexandre Cancela de et al. 2005. Livro das paisagens dos Açores. Contributo para a identificação e Caracterização das Paisagens dos Açores. Ponta Delgada: Secretaria Regional do Ambiente e do Mar/DROTRH.

Abreu, Capistrano de. 2000. Capítulos de história colonial (1500-1800). 7.ed. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Publifolha.

Abreu, Maurício de Almeida. 2010. Geografia Histórica do Rio de Janeiro (1502-1700). Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson.

Acevedo Marin, Rosa E. 2000. «Camponeses, donos de engenhos e escravos na região do Acará nos séculos XVIII e XIX». Papers do NAEA, nº 131.

Aguiar, Francismar F. A.; Pinho, Reinaldo A. 2007. Pau-brasil. Caesalpinia echinata Lam. Árvore nacional. São Paulo: Instituto de Botânica.

Albergaria, Isabel Soares de. 2000. Quintas, Jardins e Parques da Ilha de S. Miguel 1785-1885. Lisboa: Quetzal Editores.

Albergaria, Isabel Soares de. 2012. A Casa Nobre na Ilha de S.Miguel: do período filipino ao final do Antigo Regime. Tese de Doutoramento em Arquitetura. Lisboa: Instituto Superior Técnico

Albergaria, Isabel Soares de; Jorge, Filipe; Monteiro, Rui. 2008. Açores em Vista Aérea. Lisboa: Argumentum.

Albuquerque, Martim de. 1978. Jean Bodin na Península Ibérica: Ensaio de história das ideias políticas e de direito público. Paris: Fundação Calouste Gulbenkian.

Alden, Dauril. 1965. «The Growth and Decline of Indigo Production in Colonial Brazil: A Study in Comparative Economic History». The Journal of Economic History, vol. 25.01, pp 35-60.

Alden, Dauril. 1968. Royal Government in Colonial Brazil, with Special Reference to the Administration of the Marquis of Lavradio, Viceroy, 1769-77. Berkeley/Los Angeles: University of California Press.

Alden, Dauril. 1974. O significado da produção do cacau na região amazônica. Belém: NAEA/FIPAM.

Alden, Dauril. 1996. The Making of an Enterprise: The Society of Jesus in Portugal, its Empire and Beyond, 1540-1750. Stanford: Stanford University Press.

Alegria, Maria F.; Daveau, Suzanne; Garcia, João C.; Relaño, Francesc. 2012. História da Cartografia Portuguesa (séculos XV-XVII). Porto: Fio-da-Palavra.

Alencastro, Luiz Felipe. 2000. O trato dos viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul. São Paulo: Companhia das Letras.

Almeida, J. Mendes de. 1969. Simão Botelho de Andrade, 6º vedor da fazenda da Índia (1504-1565). Lisboa: Agência Geral do Ultramar.

Almeida, José Maria de; Lacerda, Araújo Correa de. 1878. Novo Diccionario da Língua Portuguesa. Para uso dos Portuguezes e Brazileiros. Lisboa: Escriptorio de Francisco Arthur da Silva. 2 vols.

Almeida, Maria Regina C. 2003. Metamorfoses indígenas: identidade e cultura nas aldeias coloniais do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional.

Almeida, Rita Heloísa de. 1997. O Diretório dos Índios – Um projeto de “civilização” no Brasil do século XVIII. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Almico, Rita; Saraiva, Luiz Fernando & Lamas, Fernando Gaudereto. 2005. «A zona da Mata Mineira: subsídios para uma historiografia», In: Anais do V Congresso Brasileiro de História Econômica e IV Conferência Internacional de História de Empresas. Caxambu: ABPHE.

Alveal, Carmen. 2007. Converting Land into Property in the Portuguese Atlantic World, 16th-18th Century. Tese de doutoramento em História. Baltimore: Johns Hopkins University.

Alves, Ieda Maria. 1981. «O vocabulário da cana-de-açúcar nas obras de José Lins do Rego». Alfa, 25: 5-14.

Amador, Elmo da Silva. 2012. Bacia da Baía de Guanabara: características geoambientais, formação e ecossistemas. Rio de Janeiro: Editora Interciência.

Amantino, Márcia. 2008. O mundo das feras: os moradores do sertão oeste de Minas Gerais, século XVIII. São Paulo: Annablume.

Amaral, Luiz. 1958. História Geral da Agricultura Brasileira: no tríplice aspecto político-social-econômico. 2ª Edição. São Paulo: Cia. Editora Nacional.

Amaral, Manuel. 2006. «As ordenanças e as milícias portuguesas de 1570 a 1834», in As Ordenanças e as Milícias em Portugal – Subsídios para o seu Estudo, ed. Nuno Gonçalo Borrego. Lisboa: Guarda-mor, pp. 57-74.

Andrada, Joaquim Carlos Paiva de. 1886. Relatório de uma Viagem às Terras do Changamira. Lisboa: Imprensa Nacional.

Andrade, Francisco Eduardo de. 2008. A invenção das Minas Gerais: empresas, descobrimentos e entradas nos sertões do ouro da América portuguesa. Belo Horizonte: Autêntica.

Andrade, Manuel Correia de. 1980. A Terra e o Homem no Nordeste. 4ª Ed. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas.

Anônimo. 1900. «Roteiro do Maranhão a Goiaz pela capitania do Piauhi». Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, tomo LXII, pp. 60-161.

Antonil, André João. 2001. Cultura e opulência do Brasil por suas drogas e minas. Introdução e comentário crítico por Andrée Mansuy Diniz Silva. Lisboa: CNCDP.

Antunes, Cátia. 2010. «Early Modern Ports, 1500-1750». In: European History Online (EGO). Mainz: Institute of European History (IEG).

Antunes, Luís Frederico (s.d.). «Chaul», in Enciclopédia Virtual da Expansão Portuguesa. Lisboa: CHAM.

Antunes, Luís Frederico Dias. 2001. O Bazar e a Fortaleza em Moçambique. A comunidade baneane do Guzerate e a transformação do comércio afro-asiático (1686-1810). Dissertação de doutoramento em História. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa.

Aragão, Augusto Carlos Teixeira de. 1875-1880. Descrição geral e histórica das moedas cunhadas em nome dos reis, regentes e governadores de Portugal, 3 vols. Lisboa: Imprensa Nacional.

Araújo, José de Sousa Azevedo Pizarro. 1822. Memórias históricas do Rio de Janeiro e das provincias annexas à jurisdicção do vice-rei do estado do Brasil. Rio de Janeiro: Imprensa Regia.

Assunção, Paulo de. 2004. Negócios Jesuíticos: o cotidiano da administração dos bens divinos. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Axelrod, Paul e Fuerch, Michelle. 2006. «Common Ground: Risk, Scarcity, and Shared Resources in Goan Agriculture». Human Ecology, Vol. 34, No. 1: 79-98.

Axelson, Eric. 1967. Portugal and the Scramble for Africa, 1875-1891. Joanesburgo: Witwatersrand University Press.

Azevedo, António Emílio d’Almeida. 1890. As comunidades de Goa: história das instituições antigas. Lisboa: Viúva Bertrand & Sucessores.

Azevedo, Manuel Lousada de Araújo. 1842. «Segunda Memoria Descriptiva e estatistica das Possessões Portuguezas na Asia, e seu estado actual». Annaes Maritimos e Coloniaes. 2ª série, nr. 4 e 9.

Azevedo, Maria Antonieta Soares de. 1985. «Pastel». In Dicionario de História de Portugal, vol. V., dir. Joel Serrão. Porto: Livraria Figueirinhas, 12.

Baleno, Ilídio. 1995. «Povoamento e formação da sociedade». In História Geral de Cabo Verde. vol. I, coord. Luís de Albuquerque e Maria Emília Madeira Santos, Lisboa-Praia: IICT-DGPCV, pp. 125-177.

Ballantyne, Tony. 2004. «Archives, Empires and Histories of Colonialism». Archifacts: 21-36.

Bandeira, Luiz Alberto Moniz. 2000. O Feudo. A Casa da Torre de Garcia d’Ávila: da conquista dos sertões à Independência do Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Barata, Manuel de Mello Cardoso. 1908. «A capitania do Camutá». Revista do Instituto Geographico e Historico Brazileiro, 69, parte II: 181-192.

Barbosa, Duarte. 1996 [1516]. O Livro de Duarte Barbosa: edição crítica e anotada, 2 vols., ed. Maria Augusta da Veiga e Sousa. Lisboa: IICT.

Barendse, R. J. 2002. The Arabian Seas. The Indian Ocean World of the Seventeenth Century. New York: M. E. Sharpe.

Barickman, B. J. 2003. Um contraponto baiano: açúcar, fumo, mandioca e escravidão no Recôncavo, 1780-1860. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Barickman, Bert J. 2003. Um contraponto baiano: açúcar, fumo, mandioca e escravidão no Recôncavo, 1780-1860. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Barreto, Aníbal. 1958. Fortificações do Brasil: resumo histórico. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército.

Barroca, Mário Jorge. 1989. «Em torno da residência senhorial fortificada: quatro torres medievais na região de Amarra». Revista de História, Centro de História da Universidade do Porto, vol. 9, pp. 9-61.

Barroca, Mário Jorge. 1998. «Torres, casas-torres ou casas-fortes: a concepção do espaço de habitação da pequena e da média nobreza na Baixa Idade Média (séculos XII-XV)». Revista de História das Ideias, vol. 19, pp. 39-103.

Barros, Edval de Souza. 2008. Negócios de tanta importância – o Conselho Ultramarino e condução da Guerra no Atlântico – 1643-1661. Lisboa: CHAM.

Barroso, Gustavo. 1912. Terra de sol: natureza e costumes do Norte. Rio de Janeiro: Benjamim de Aguila.

Beach, David. 1980. The Shona and Zimbabwe 900-1850. An Outline of Shona History. Londres: Heinemann; Gwelo: Mambo Press.

Beach, David. 1994. The Shona and their Neighbours. Oxford UK & Cambridge USA: Blackwell.

Beja, João Bernardo Freire de Andrade. 2004. Tratado Jurídico de vínculos e de prazos. Lisboa: Dislivro.

Belloto, Heloísa Liberalli. 1979. Autoridade e Conflito no Brasil Colonial: o Governo do Morgado de Mateus em São Paulo (1765/1775). São Paulo: Conselho Estadual de Artes e Ciências Humanas.

Benton, Lauren. 2012. A Search for Sovereignty: Law and Geography in European Empires, 1400-1900. New York: Cambridge University Press.

Bethencourt, Francisco. 1998. «As capitanias». In História da Expansão Portuguesa, ed. F. Bethencourt & K. Chaudhuri. Lisboa: Círculo de Leitores, vol I, pp. 341-352.

Bethencourt, Francisco. 1998. «O Estado da Índia». In História da Expansão Portuguesa, Vol. 2: Do Índico ao Atlântico (1570-1697), ed. F. Bethencourt & K. Chaudhuri. Lisboa: Círculo de Leitores.

Bettendorff, João Felipe, SJ. 1990 [1698]. Crônica da missão dos Padres da Companhia de Jesus no Maranhão. Belém: SECULT.

Beviláqua, Clóvis. 2003. Direito das cousas. Prefácio de Francisco César Asfor Rocha. Brasília: Senado Federal, vol. II.

Bezerra, Antônio. 1986. Algumas Origens do Ceará. Fortaleza: Imprensa Universitária.

Bezerra, Antonio. 2009 [1918]. Algumas Origens do Ceará: defesa ao Desembargador Soares Reimão à vista dos documentos do seu tempo. Fortaleza: Fundação Waldemar Alcântara.

Bhila, H. H. K. 1982. Trade and Politics in a Shona Kingdom: The Manyika and their Portuguese and African Neighbours, 1575-1902. Londres: Longman.

Bicalho, Maria Fernanda. 2001. «As Câmaras Ultramarinas e o Governo do Império». In O Antigo Regime nos Trópicos. A Dinâmica Imperial Portuguesa (séculos XVI-XVIII), org. João Fragoso, M. F. Bicalho, M. F. Gouvêa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, pp. 189-221.

Bicalho, Maria Fernanda. 2005. «Conquista, mercês e poder local: a nobreza da terra na América portuguesa e a cultura política do Antigo Regime». Almanack Braziliense, n. 2, pp. 21-34.

Biedermann, Zoltán. 2005. A aprendizagem de Ceilão: a presença portuguesa em Sri Lanka entre estratégia talassocrática e planos de conquista territorial (1506-1598). Tese de Doutoramento. Lisboa: FCSH-UNL.

Bluteau, Raphael. 1712-1728. Vocabulario portuguez & latino. Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesus.

Bodin, Jean. 1576. Les Six Livres de la République. Paris: Du Puys.

Bondar, G. 1955. A cultura do coqueiro no Brasil. Salvador: Tipografia Naval.

Borges, Charles J. 1994. Economics of the Goa Jesuits, 1542-1759: An explanation of their rise and fall. Nova Deli, Concept Publ.

Borges, Pedro Maurício de Loureiro Costa. 2009. O Desenho do Território e a Construção da Paisagem na ilha de S. Miguel, Açores, através de um dos seus protagonistas. Dissertação de Doutoramento em Teoria e História da Arquitectura, FCT-UC.

Bouchon, Geneviève. 1999. «Premières Expériences d’une Société Coloniale: Goa au XVIe Siècle». In Inde Découverte, Inde Retrouvée. Lisboa/Paris: Centre Culturel Calouste Gulbenkian, 291-301.

Boxer, Charles R. 1965. Portuguese Society in the Tropics. The Municipal Councils of Goa, Macao, Bahia, and Luanda (1510-1800). Madison and Milwaukee: The University of Wisconsin Press.

Boxer, Charles R. 1975. Mary and misogyny. Women in Iberian expansion overseas 1415-1815, some facts, fancies and personalities. Londres: Duckworth.

Boxer, Charles R. 1990. «Timor turbulento». In Fidalgos no Extremo Oriente (1550-1770). Macau: Fundação Oriente e Museu e Centro de Estudos Marítimos de Macau, pp. 181-204.

Brandão, Ambrósio Fernandes. 2010. Diálogos das grandezas do Brasil [1618]. Brasília: Conselho Editorial do Senado Federal.

Brasil. 2012. Manual Técnico de Vegetação Brasileira. 2ª edição revista e ampliada. Rio de Janeiro: IBGE.

Brendecke, Arndt. 2012. Imperio e información: Funciones del saber en el dominio colonial español. Madrid e Frankfurt am Main: Iberoamericana e Vervuert.

Brockway, Lucile H. 1979. Science and Colonial Expansion: The Role of the British Royal Botanic Gardens. New York: Academic Press.

Burton, Antoinette. 2006. «Introduction. Archive Fever, Archive Stories». In Antoinette Burton (ed.), Archive Stories. Facts, Fictions, and the Writing of History. Durham: Duke University Press, pp. 1-24.

Cabaço, José Luís. 2001. «Políticas de identidade no Moçambique colonial». In: Raça como retórica: a construção da diferença, org, Yvonne Maggie e Cláudia Barcelos Rezende. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira: 351-408.

Cabral, Diogo de Carvalho. 2008. «Floresta, política e trabalho: a exploração das madeiras-de-lei no Recôncavo da Guanabara (1760-1820)». Revista Brasileira de História. Vol. 28, nº 55: 217-241.

Cabral, Diogo de Carvalho. 2014. Na presença da floresta: Mata Atlântica e História Colonial. Rio de Janeiro: Garamond.

Cabral, Iva Maria. 2002. «Política e Sociedade: Ascensão e Queda de Uma Elite Endógena» In História Geral de Cabo Verde, coord. Maria Emília Madeira Santos. CEHCA, IICT, INIPPCCBV, vol 3: 235-326.

Caetano, Marcello. 1967. O Conselho Ultramarino: esboço da sua história. Lisboa: Agência Geral do Ultramar.

Caldas, João Vieira et al. 2000. Arquitectura Popular dos Açores. Lisboa: Ordem dos Arquitectos.

Caldeira, Arlindo Manuel. 2007. «Mestiçagem, estratégias de casamento e propriedade feminina no arquipélago de São Tomé e Príncipe nos séculos XVI, XVII e XVIII». Revista Arquipélago – História, vol. XI-XII: 49-72.

Caldeira, Arlindo Manuel. 2010. «As ilhas do Golfo da Guiné, a rivalidade colonial europeia e o tratado luso-espanhol de 1778». Anais de História de Além-Mar, vol. XI: 177-212.

Caldeira, Arlindo Manuel. 2011. «Learning the Ropes in the Tropics: Slavery and the Plantation System on the Island of São Tomé». African Economic History, vol. 39: 35-71.

Caldeira, Arlindo Manuel. 2013. «Aprender os trópicos: plantações e trabalho escravo na ilha de São Tomé». In Para a história da escravatura insular nos séculos XV a XIX, coord. Margarida V. R. Machado et al. Ponta Delgada: CHAM, 25-54.

Calmon, Pedro. 1958. História da Casa da Torre. 2ª ed. s.l.: José Olympio Editora.

Câmara, Benedita. 2006. «The Portuguese Civil Code and the colonia tenancy contract in Madeira (1867-1967)», Continuity and Change, 21.02: 235-259.

Camarinhas, Nuno. 2009. «O aparelho judicial ultramarino português. O caso do Brasil (1620-1800)». Almanack Braziliense, nr. 9: 84-102.

Camarinhas, Nuno. 2010. Juízes e administração da justiça no Antigo Regime. Portugal e o seu império, 1620-1800. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian / Fundação para Ciência e a Tecnologia.

Canto, Ernesto do (dir). 1983. Arquivo dos Açores: publicação destinada à vulgarisação dos elementos indispensáveis para todos os ramos de História Açoriana. (reprodução fac-similada da ed. 1878), vol. XII. Ponta Delgada: Universidade dos Açores.

Capela, José. 1995. Donas, Senhores e Escravos. Porto: Afrontamento.

Carapinha, Aurora da Conceição Parreira. 1995. Da Essência do Jardim Português. Tese de Doutoramento em Artes e Técnicas da Paisagem. Évora: Universidade de Évora.

Cardim, Pedro, Tamar Herzog, José Javier Ruiz Ibáñez and Gaetano Sabatini, eds. 2012. Polycentric Monarchies: How did Early Modern Spain and Portugal Achieve and Maintain a Global Hegemony? Eastbourne: Sussex Academic Press.

Cardoso, Alírio Carvalho. 2012. Maranhão na Monarquia Hispânica: intercâmbios, guerra e navegação nas fronteiras das Índias de Castela (1580-1655). Tese de doutorado em História, Universidad de Salamanca.

Cardoso, Ciro Flammarion & Pérez Brignoli, Hector. 1983. História econômica da América Latina. Rio de Janeiro: Graal.

Carney, Judith; Acevedo Marin, Rosa. 1999. «Aportes dos escravos na história do cultivo do arroz africano nas Américas». Estudos Sociedade e Agricultura, 12, 113-133.

Carrara, Ângelo Alves. 1999. Contribuição para a história agrária de Minas Gerais, séculos XVIII-XIX. Mariana: UFOP.

Carrara, Ângelo Alves. 2007. Minas e Currais: produção rural e mercado interno de Minas Gerais 1674-1807. Juiz de Fora: Editora da UFJF.

Carreira, António. 1968. «As Companhias Pombalinas de navegação, comércio e tráfico de escravos entre a costa africana e o nordeste brasileiro». Boletim Cultural da Guiné Portuguesa, XIV, Portugal – Centro de Estudos da Guiné Portuguesa, n. 089 e 090 – Vol. XXII: 5-88.

Carreira, António. 1973. Urzela e o pano de vestir: dois produtos de exportação das ilhas de Cabo Verde. Praia: Centro de Estudos de Cabo Verde.

Carreira, António. 1982.  As companhias pombalinas. Lisboa: Editorial Presença.

Carreira, António. 1984. «O primeiro ‘censo’ da população da capitania das ilhas de Cabo Verde», Revista de História Económica e Social, 13: 51-66.

Carreira, António. 1988. A Companhia Geral do Grão-Pará e Maranhão. São Paulo: Editora Nacional.

Carreira, Ernestina. 1998. «Índia». In O Império Africano (1825-1890), coord. de V. Alexandre e J. Dias, vol. X da Nova História da Expansão, dir. de J. Serrão e A. H. O. Marques. Lisboa: Editorial Estampa, 657-717.

Carreira, Ernestina. 2006. «Aspectos Políticos». In O Império Oriental. 1660-1820, coord. M. J. M. Lopes, vol. V da Nova História da Expansão, dir. de J. Serrão e A. H. O. Marques. Lisboa: Editorial Estampa, I, 17-122.

Carvalho, Arthur de Moraes. 1903. Companhias de Colonização. Coimbra: Imprensa da Universidade.

Carvalho, Tito Augusto de. 1902. As Companhias Portuguesas de Colonização: Memória. Lisboa: Imprensa Nacional.

Cascudo, Luís da Câmara. 1969. Dicionário do folclore brasileiro vol. 2. Rio de Janeiro: Edições de Ouro.

Cascudo, Luís da Câmara. 1955. História do Rio Grande do Norte. Rio de Janeiro: MEC, Serv. de Documentação.

Castelo, Cláudia. 2007. Passagens para África: o Povoamento de Angola e Moçambique com Naturais da Metrópole. Porto: Afrontamento.

Castro, Armando. 1963. «Baldios». Dicionário de História de Portugal (dir. Joel Serrão). vol. I. Lisboa: Iniciativas Editoriais, pp. 277-282.

Castro, Manuel Mendez de. 1623. Repertorio das Ordenações do Reyno de Portugal (…). Lisboa: Pedro Craesbeeck.

Cavalcanti, Nireu. 2004. O Rio de Janeiro setecentista. A vida e a construção da cidade. Da invasão francesa até a chegada da corte. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Chambouleyron, Rafael & Melo, Vanice Siqueira de. 2013. «Governadores e índios, guerras e terras entre o Maranhão e o Piauí (século XVIII)». Revista de História (USP), vol. 168, pp. 167-200.

Chambouleyron, Rafael. 2008. «O sertão dos Taconhapé. Cravo, índios e guerras no Xingu seiscentista». In Histórias do Xingu: fronteiras, espaços e territorialidades (XVII-XXI), org. A. Cardozo & C.A. Souza. Belém: EdUFPA: 51-74.

Chambouleyron, Rafael. 2010. Povoamento, ocupação e agricultura na Amazônia colonial (1640-1706). Belém: Açaí/PPHIST/CMA.

Chambouleyron, Rafael. 2012. «O plantio do cacau na Amazônia colonial (séculos XVII e XVIII)». In Anais do XXXII Encontro da Associação Portuguesa de História Econômica e Social (APHES). Lisboa, CEHC-IUL.

Chambouleyron, Rafael; Neves Neto, Raimundo M. das. 2011. «Terras jesuíticas na Amazônia colonial». In O direito às avessas: por uma história social da propriedade, org. Motta, Márcia M.; Secreto, M. Verônica, p. 47-72.

Chorão, Maria José Mexia Bigotte. 1999. Doações e Forais das Capitanias do Brasil, 1534-1536. Lisboa: IANTT.

Clarence-Smith, W. Gervase. 1985. The Third Portuguese Empire, 1825-1975: A Study in Economic Imperialism. Manchester: Manchester University Press.

Clarence-Smith, W. Gervase. 1992. «Planters and Smallholders in Portuguese Timor in the Nineteenth and Twentieth Centuries». Indonesia Circle 57: 15-30.

Clavero, Bartolomé. 1974. Mayorazgo. Propriedad feudal en Castilha (1369-1836). Madrid: Siglo Veintiuno Editores.

Coaracy, Vivaldo. 1955. Memória da Cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora.

Coaracy, Vivaldo. 1965. O Rio de Janeiro no século 17. Rio de Janeiro: José Olympio.

Coelho, Maria Angelina Teixeira. 1970. O Pau-Brasil e a arte da tinturaria. Separata da Revista Ocidente, volume XXXIX, Lisboa, pp. 213-224.

Comissoli, Adriano. 2008. Os “homens bons” e a Câmara de Porto Alegre (1767-1808). Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Cortesão, Armando. 1969-1970. História da cartografia portuguesa. Lisboa: Junta de Investigações de Ultramar.

Cortesão, Armando; Mota, Avelino Teixeira da. 1987. Portugaliae monumenta cartographica, 2ª ed, 6 vols. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda.

Costa, Eduardo. 1902. O Território de Manica e Sofala e a Administração da Companhia de Moçambique: 1892-1900. Lisboa: Typ. da Comp. Nacional Editora.

Costa, Fernando Dores. 2010. Insubmissão – Aversão ao serviço militar no Portugal do século XVIII. Lisboa: ICS.

Costa, Francisco Augusto Pereira da. 1983. Anais pernambucanos. Recife: FUNDARPE.

Costa, Francisco Carreiro da. 1946. «A Cultura do Pastel nos Açores. Subsídios para a sua História», Boletim da Comissão Reguladora dos Cereais dos Arquipélagos dos Açores, nº 4: 1-37.

Costa, João Paulo Oliveira e (s.d.). «Beatriz, Infanta D. (1429-1506)», in Enciclopédia Virtual da Expansão Portuguesa. Lisboa: CHAM.

Costa, João Paulo Oliveira; Lacerda, Teresa. 2007. A interculturalidade na Expansão Portuguesa (séculos XV-XVIII). Lisboa: ACIM.

Costa, Leonor Freire; Lains, Pedro; Miranda, Susana Munch. 2011. História económica de Portugal (1143-2010). Lisboa: Esfera dos Livros.

Costa, Manuel Rafael Amaro da. 1950-1951. «O aproveitamento da água na Madeira». Revista das Artes e das Letras da Madeira, nº 4, pp. 18-19, e nº 5, pp. 14-21.

Costa, Mário Júlio Brito de Almeida. 1961. Raízes do censo consignativo: para a história do crédito medieval português. Coimbra: Atlântida.

Costa, Pedro do Carmo. 2003. «Famílias Católicas Goesas: entre dois mundos e dois referenciais de nobreza». Revista de Genealogia & Heráldica, nr 9-10: 199-262.

Costa, Ricardo Manuel. 2011. «Urzela». In Enciclopédia Açoriana, dir. Roberto Carneiro et al. Lisboa: CEPESE.

Costa, Vicente José Ferreira Cardoso da. 1789. Elementa Juris Emphyteutici. Coimbra: Typographia Academico-Regia.

Costa, Vicente José Ferreira Cardoso da. 1802. Memoria sobre a avaliação dos bens de prazo. Lisboa: Regia officina typografica.

Couto, Domingos do Loreto, OSB. 1981. Desagravos do Brasil e glórias de Pernambuco (1757). Recife: Fundação de Cultura.

Cruz, Miguel Dantas da. 2013. O Conselho Ultramarino e a administração militar do Brasil (da Restauração ao Pombalismo): Política, finanças e burocracia. Tese de doutoramento em História. Lisboa: ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa.

Cruz, Miguel Dantas da. 2014. «Pombal e o Império Atlântico: impactos políticos da criação do Erário Régio». Revista Tempo, (no prelo).

Cruz, Roberto Borges. 2011. Farinha de “pau” e de “guerra”: os usos da farinha de mandioca no extremo Norte (1722-1759). Dissertação de mestrado em História, Universidade Federal do Pará.

Cunha, Euclides da. s.d. Os Sertões. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional.

Cunha, J. Gerson da. 1883. Contributions to the Study of Indo-Portuguese Numismatics. Bombay: Education Society Press.

Cunha, João Teles e. 2002. Chá. A Sociabilização da Bebida em Portugal, séculos XVI-XVIII. Lisboa: Centro de História de Além-Mar.

Cunha, Manuela Carneiro da. 1987. Os direitos dos índios: ensaios e documentos. São Paulo: Brasiliense.

Dalgado, Sebastião Rodolfo. 1988. Glossário luso-asiático. 2ª ed. Nova Deli: Asian Educational Services. (1ª ed. 1919).

De Vivo, Filippo. 2013. «Coeur de l’État, lieu de tension. Le tournant archivistique vu de Venise (XVe-XVIIe siècle)». Annales. Histoire, Sciences Sociales, Vol. 68, 3: 699-728.

Dean, Warren. 1991. «A Botânica e a política imperial: a introdução e a domesticação de plantas no Brasil». In  Estudos Históricos, vol. 4 (1991), nº 8, pp. 218-19.

Dean, Warren. 1996. A ferro e fogo. A história e a devastação da Mata Atlântica brasileira. São Paulo: Companhia das Letras.

Dias, Carlos Malheiro. 1924. «Regime Feudal das Donatarias». In História da Colonização Portuguesa no Brasil. Porto: s. ed.

Dias, Erika Simone. 2001. O fim do monopólio: A extinção da Companhia Geral de Pernambuco e Paraíba (1770-1780). Dissertação de mestrado em História. Recife: Universidade Federal de Pernambuco.

Dias, Erika Simone. 2008. «A Capitania de Pernambuco e a instalação da Companhia Geral de Comércio». Atas do Congresso Internacional Espaço Atlântico de Antigo Regime: poderes e sociedades. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa.

Dias, João Alves. 1998. «A Moeda». In Portugal do Renascimento à Crise Dinástica, vol. V da Nova História de Portugal, dir. J. Serrão e A. H. O. Marques. Lisboa: Editorial Presença, 254-276.

Dias, João José Alves. 1996. Agentes e Espaços (em torno da população portuguesa na primeira metade do século XVI). Lisboa: Fundação Gulbenkian.

Dias, Manuel Nunes. 1970. A Companhia Geral do Grão-Pará e Maranhão (1755-1778). Belém: Universidade Federal do Pará.

Dias, Marcelo Henrique. 2011. Farinha, madeiras e cabotagem: a capitania de Ilhéus no antigo sistema colonial. Ilhéus: Editus.

Dias, Marcelo Henrique. 2013. «Conflitos de terra na Bahia colonial: donatários, jesuítas e lavradores». In Em terras lusas: conflitos e fronteiras no Império Português, org. Motta, Márcia M.; Serrão, J. Vicente; Machado, Marina. p. 197-230.

Dias, Patrícia de Oliveira. 2011. As tentativas de construção da ordem em um espaço colonial em formação: o caso de Cristóvão Soares Reimão. Monografia de Graduação em História, Departamento de História, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal: UFRGN.

Dias, Remy Antonio. 2004. The socio-economic history of Goa with special reference to the communidade system: 1750-1910. PhD Dissertation. Goa University.

Direito, Bárbara. 2012. «Terra, trabalho e colonialismo em Moçambique: o caso do distrito de Inhambane, c.1900 c.1930». In O Império Colonial em Questão (secs. XIX-XX). Poderes, Saberes e Instituições, coord. Miguel Bandeira Bandeira Jerónimo. Lisboa: Edições 70, 195-222.

Direito, Bárbara. 2013. Políticas coloniais de terras em Moçambique: o caso de Manica e Sofala sob a Companhia de Moçambique, 1892-1942. Tese de doutoramento. Lisboa: Universidade de Lisboa.

Domingues, Ângela. 2000. Quando os índios eram vassalos: colonização e relações de poder no Norte do Brasil na segunda metade do século XVIII. Lisboa: CNCDP.

Dores, Rafael das. 1901. Apontamentos para um Dicionário Corográfico de Timor. Sep. do Boletim da Sociedade de Geografia de Lisboa.

Dutra, Francis A. 1999. «Os fornos da Ordem de Santiago e seus comendadores, 1550-1777». In Ordens Militares: guerra, religião, poder e cultura: actas do III Encontro sobre Ordens Militares, coord. Isabel Cristina Fernandes. Lisboa: Colibri / Câmara Municipal de Palmela, vol. I, pp. 179-183.

Dutra, Francis A. 2010. «Ser mulato em Portugal». Revista Tempo. Vol. XVI. 30, pp. 101-114.

Eyzaguirre, Pablo B. 1982. Small farmers and Estates in São Tomé, West Africa. PhD dissertation. New Haven: Yale University.

Faria, Olímpia Soares de. 1997. O Nosso Falar ilhéu. Glossário de termos, provérbios, crenças e outras histórias. Angra do Heroísmo: Edições Blu.

Faria, Oswaldo Lamartine de. 1966. Vocabulário do criatório norte-rio-grandense. Rio de Janeiro: Ministério da Agricultura.

Faria, Oswaldo Lamartine de. 1984. Ferro de ribeiras do Rio Grande do Norte. Fortaleza: UFC.

Feijão, Maria J. Esteves. 1995. «O acesso aos documentos cartográficos em bibliotecas e arquivos portugueses», in El documento cartográco como fuente de información. Huelva: Diputación Provincial de Huelva, pp. 153-178.

Feio, Mariano. 1979. As Castas Hindus de Goa. Lisboa: Junta de Investigações Científicas do Ultramar.

Felner, Rodrigo José de Lima. 1868. Subsídios para a história da Índia portugueza. Lisboa: Academia Real das Ciências de Lisboa.

Ferlini, Vera. 2010. Açúcar e Colonização. São Paulo: Alameda.

Ferrão, José E. Mendes. 1993. A Aventura das Plantas e os Descobrimentos Portugueses. Lisboa: IICT, CNCDP, FJB, (2ª ed.).

Ferreira, João da Costa. 1933. A cidade do Rio de Janeiro e seu termo. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional.

Figueirôa-Rêgo, J. 2011. «A honra alheia por um fio». Os estatutos de limpeza de sangue nos espaços de expressão ibérica (sécs. XVI-XVIII). Lisboa: FCG/FCT.

Figueirôa-Rêgo, J; Olival, Fernanda. 2011. «Cor da pele, distinções e cargos: Portugal e espaços atlânticos portugueses (séculos XVI a XVIII)», Tempo, vol. XVI. 30, pp. 115-145.

Fitzler, M. A. 1927. Os tombos de Ceilão da Secção Ultramarina da Biblioteca Nacional. Lisboa: Biblioteca Nacional.

Fleiuss, Max. 1923. História Administrativa do Brasil. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional.

Florentino, Manolo; Ribeiro, Alexandre Vieira; Silva, Daniel Domingues da. 2004. «Aspectos comparativos do tráfico de escravos para o Brasil (séculos XVIII e XIX)». Afro-Ásia, 31: 83-126.

Flores, Jorge Manuel. 2001b. Hum Curto Historia de Ceylan: Quinhentos anos de relações entre Portugal e o Sri Lanka. Lisboa: Fundação Oriente.

Flores, Jorge. 2001. Os olhos do Rei: desenhos e descrições portuguesas da Ilha de Ceilão (1624-1638). Lisboa: CNCDP.

Fonseca, Cláudia Damasceno. 2011. Arraiais e vilas D’El Rei: espaço e poder nas Minas setecentistas. Belo Horizonte: EDUFMG.

Fonseca, Rui Guerra da. 2001. «As companhias majestáticas de colonização do final do século XIX». O Direito, 133, n.º 3: 659-724 e n.º 4: 863-893.

Fortuna, Carlos. 1993. O fio da meada. O algodão de Moçambique, Portugal e a economia-mundo (1360-1960). Porto: Ed. Afrontamento.

Fragoso, João Luís Ribeiro. 1992. Homens de grossa aventura: acumulação e hierarquia na praça mercantil do Rio de Janeiro (1790-1830). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional.

França, Zilda; Forjaz, Victor Hugo; Ribeiro, Luísa Pinto. 2014. Ilha do Pico. Erupção de 1562-64. 450 Anos Após. São Roque do Pico: Câmara Municipal de São Roque do Pico.

Freire, Felisbello. 1906. História territorial do Brasil. (Bahia, Sergipe e Espírito Santo). Rio de Janeiro: Typ. do Jornal do Commercio.

Freitas, Augusto Teixeira de. 2003. Consolidação das Leis Civis. [1858], Título IV, Da Hypotheca. Prefácio de Ruy Rosado de Aguiar. Brasília: Senado Federal, vol.II.

Frutuoso, Gaspar. 1924-1931. Saudades da Terra. P. Delgada: Tipografia do Diário dos Açores.

Fuller, Dorian Q. 2003. «African crops in prehistoric South Asia: a critical review». In Neumann, Katharina; Butler, Anne; Kahlheber, Stefanie. (ed.), Food, Fuel and Fields. Progress in Africa Archaeobotany. Africa Praehistorica 15. Cologne: Heinrich-Barth-Institut, 239-271.

Furtado, Júnia Ferreira (org.) 2001. Diálogos oceânicos: Minas Gerais e as novas abordagens para uma história do Império Ultramarino Português. Belo Horizonte: EDUFMG.

Galvão, Inês Neto. 2013. Sisal em carne viva: poder, ciência e o problema do trabalho numa economia de plantação (Moçambique, c1930-1960). Tese de Mestrado em Antropologia Social e Cultural, Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. Lisboa: ICS-UL.

Garavaglia, Juan Carlos. 1999. Pastores y labradores de Buenos Aires. Buenos Aires: Ediciones de la Flor.

Garcia, José Manuel. 2009. Cidades e Fortalezas do Estado da Índia: Séculos XVI e XVII. Matosinhos: QuidNovi.

Gaspar, José Eduardo Pedro. 2005. Os bons e os maus: vinhos e categorias nativas nos Açores. Tese doutoramento em Antropologia. Lisboa: ISCTE.

Geffray, Christian. 2000. Nem pai nem mãe. Crítica do parentesco: o caso macua. Lisboa: Caminho.

Gelman, Jorge. 1998. Campesinos y estancieros. Una región del Rio de la Plata a fines de la época colonial. Buenos Aires: Editorial Los Libros del Riel.

Girão, Raimundo. 1953. Pequena História do Ceará. Fortaleza: Editora A. Batista Fontenele.

Godinho, Vitorino Magalhães. 1982. Les Finances de l’État Portugais des Indes Orientales (1517-1635). Matériaux pour une étude structurelle et conjoncturelle. Paris: FCG.

Godinho, Vitorino Magalhães. 1982-3. Os Descobrimentos e a Economia Mundial. 4 vols. Lisboa: Presença.

Gomes, Francisco Luís. 1862. Liberdade da Terra e a Economia Rural da India Portuguesa. Lisboa: Typographia Universal.

Gonçalves, Aureliano Restier. 2004. Cidade do Rio de Janeiro: terras e fatos. Rio de Janeiro: SMC, Arquivo G. Cidade do Rio de Janeiro.

Goulart, José Alípio. 1961. Tropas e tropeiros na formação do Brasil. Rio de Janeiro: Conquista.

Gouvêa, Maria de Fátima Silva. 1998. «Redes de poder na América Portuguesa: o caso dos homens bons do Rio de Janeiro, ca. 1790-1822». Revista Brasileira de História, vol. 8.36: 297-330.

Gregório, Rute Dias. 2007. Terra e Fortuna: os primórdios da humanização na ilha Terceira (1450?-1550). Ponta Delgada: CHAM.

Gregório, Rute Dias. 2008. «Formas de organização do Espaço», in História dos Açores. Do descobrimento ao século XIX. Angra do heroísmo: Instituto Açoriano de Cultura, vol I, 111-140.

Gune, V. T. 1979. Assentos do Conselho da Fazenda (1613-1621). Pangim: Directorate of Historical Archives and Archaelogy Museum.

Habib, Irfan. 1982. «Agrarian Economy». In The Cambridge Economic history of India, vol. I, Dharma Khumar and Tapan Raychauduri (general editors), Tapan Raychauduri, Irfan Habib (editors). Cambridge: Cambridge University Press.

Habib, Irfan. 2011. The Agrarian System of Mughal India. 1556-1707. Nova Deli: Oxford University Press.

Hagerdal, Hans. 2012. Lords of the Land, Lords of the Sea. Conflict and Adaptation in Early Colonial Timor, 1600-1800. Leiden: KITLV Press.

Hair, Paul E. H.. 1977. «Milho, Meixoeira and Other Foodstuffs of the Sofala Garrison, 1505-1525». Cahiers d’études africaines, v. 17, 66-67, 353-363.

Hancock, David. 2009. Oceans of Wine: Madeira and the Emergence of American Trade and Taste. New Haven: Yale University Press.

Harlan, Jack H.; Wet, Jan M. J. de; Stemler, Ann B. L. (ed.). 1976. Origins of African Plant Domestication. Haia, Paris: Mouton.

Harley, J. B. 1988. «Maps, Knowledge and Power», in Denis Cosgrove and Stephen Daniels (eds.), The Iconography of Landscape: Essays on the Symbolic Representation, Design and Use of Past Environments. Cambridge: Cambridge University Press, pp. 277-312.

Hespanha, António M. 1980. «O jurista e o legislador na construção da propriedade burguesa liberal em Portugal». Análise Social. Vol. XI, nrs 1-2: 211-236.

Hespanha, António M. 1982. História das Instituições: Épocas Medieval e Moderna. Coimbra: Almedina.

Hespanha, António M. 1994. As Vésperas do Leviathan: Instituições e Poder Político em Portugal, séc. XVII. Coimbra: Almedina.

Hespanha, António M. 2001. «A constituição do imperio português. Revisão de alguns enviesamentos correntes», in Fragoso, Bicalho e Gouvea, O Antigo Regime nos trópicos: a dinâmica imperial portuguesa (séculos XVI-XVIII) Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. pp. 165-188.

Holanda, Sérgio Buarque de. 2005. Caminhos e fronteiras. São Paulo: Companhia das Letras.

Irffi, Ana Sara R. P. C. 2015. O cabra do Cariri Cearense: a invenção de um conceito oitocentista. Tese de doutoramento em História Social. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará.

Isaacman, Allen F. 1996. Cotton Is the Mother of Poverty: Peasants, Work, and Rural Struggle in Colonial Mozambique, 1938-1961. Portsmouth: Heinemann.

Isaacman, Allen. 1972. Mozambique: the africanization of a European Institution. The Zambezi Prazos. 1750-1902. Madison: The University of Wisconsin Press.

João, Maria Isabel. 1991. Os Açores no século XIX. Economia, Sociedade e Movimentos Autonomistas. Lisboa: Edições Cosmos.

Joffily, Irenêo. 1892. Notas sobre a Parahyba. Brasília-DF: Thesauros Editora.

Johnson, Harold. 1972. «The Donatary Captaincy in Perspective: Portuguese Backgrounds to the Settlement of Brazil», Hispanic American Historical Review, 52.02, pp. 203-214.

Joly, Aylthon Brandão. 1985. Botânica: introdução à taxonomia vegetal. São Paulo: Editora Nacional.

Krause, Thiago Nascimento. 2014. «De homens da governança à primeira nobreza: vocabulário social e transformações estamentais na Bahia seiscentista». Revista de História (Brasil), n. 170, pp. 201-232.

Leão, Duarte Nunes de. 1987. Leis extravagantes e repertório das Ordenações. Lisboa: F. Calouste Gulbenkian.

Leite, Antonieta Reis. 2012. Açores. Cidade e Território. Tese de doutoramento em Arquitetura. Coimbra: Universidade de Coimbra.

Leite, José Guilherme Reis. 1988. O códice 529-Açores do Arquivo Histórico Ultramarino: a Capitania-Geral dos Açores durante o consulado pombalino. Ponta Delgada: SREC/DRAC.

Leite, José Guilherme Reis. 2001. «Capitania-Geral». In Enciclopédia Açoriana, dir. Roberto Carneiro et al. Lisboa: CEPESE.

Leite, Serafim. 1938-50. História da Companhia de Jesus no Brasil 1549-1760. 10 vols. Lisboa e Rio de Janeiro: Liraria Portugália e Instituto Nacional do Livro.

Lemos, Daniel M de S. 2013. O cacau, a mata e os cientistas: estudos sobre a cacauicultura no litoral sul da Bahia do século XVIII ao XX. Dissertação de Mestrado. Ilhéus: PRODEMA/UESC.

Leonzo, Nanci. 1977. As companhias de ordenanças na capitania de São Paulo: das origens ao governo de Morgado de Mateus. São Paulo: Coleção Museu Paulista.

Lima, Alam da Silva. 2006. Do “dinheiro da terra” ao “bom dinheiro”: moeda natural e moeda metálica na Amazônia colonial (1706-1750). Dissertação de Mestrado. Belém: Universidade Federal do Pará.

Lima, André da Silva. 2006. A guerra pelas almas: alianças, recrutamentos e escravidão indígena (do Maranhão ao Cabo do Norte, 1615-1647). Dissertação de mestrado em História. Belém: Universidade Federal do Pará.

Lima, Deborah de Magalhães. 1999. «A construção histórica do termo caboclo: sobre estruturas e representações sociais no meio rural amazônico». Novos Cadernos NAEA, vol 2.02, pp. 5-32.

Lima, Oliveira. 1975. Pernambuco e seu desenvolvimento histórico. Recife: Coleção Pernambucana.

Lima, Ruy Cirne. 1988. Pequena História Territorial do Brasil. Sesmarias e Terras Devolutas, 4ª edição. Brasília: ESAF.

Linares, Olga F. 2002. «African rice (Oryza Glaberrima): History and future potential», Proceedings of the National Academy of Sciences of United States of America, 99 (25), 16360-16365.

Linhares, Maria Yedda Leite. 1979. História do abastecimento: uma problemática em questão (1530-1918). Brasília: BINAGRI.

Linhares, Maria Yedda; Silva, Francisco Carlos Teixeira da. 1981. História da agricultura brasileira: combates e controvérsias. Rio de Janeiro: Brasiliense.

Livro das Cidades, e Fortalezas que a Coroa de Portugal tem nas partes da Índia, e das Capitanias, e mais cargos, que nelas há, e da importância deles. 1582. Edição de Francisco Paulo Mendes da Luz (1952). Coimbra: Tipografia da Coimbra Editora.

Lobão, Manoel de Almeida e Sousa de. 1855. Tractado pratico compendiário dos censos. Lisboa: Imprensa Nacional.

Lobão, Manuel de Almeida e Sousa. 1814. Tractado pratico, e critico de todo o direito emphyteutico conforme a legislação, e costumes deste reino e uso actual das naçoens. 2 vols. Lisboa: Impressão Regia.

Lobato, Alexandre. 1962. Colonização senhorial da Zambézia e outros estudos. Lisboa: J.I.U.

Lobo, Roberto Jorge Haddock (org.). 1863. Tombo das Terras Municipais que constituem parte do patrimônio da Ilustríssima Câmara Municipal da Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, Tomo I. Rio de Janeiro: Typographia Paula Brito.

Lopes, Antônio. 2002. Alcântara. Subsídios para a história da cidade. São Paulo: Siciliano (1ª ed. 1957).

Lopes, Maria Antónia, 2010. Protecção Social em Portugal na Idade Moderna. Coimbra: Imprensa da Universidade.

Lopes, Maria de Jesus dos Mártires. 1999. Goa Setecentista: Tradição e Modernidade (1750-1800). 2ª ed. Lisboa: CEPCEP-UCP.

Loureiro, José Pinto (Dir). 1947. Jurisconsultos Portugueses do século XIX. Lisboa: CGOA.

Luz, Francisco Paulo Mendes da. 1952. O Conselho da Índia: Contributo ao Estudo da Administração e do Comércio do Ultramar Português nos princípios do século XVII. Lisboa: Agência Geral do Ultramar.

Lyra, Augusto Tavares de. 2008. História do Rio Grande do Norte. Natal: EDUFURN.

Macaire, Pierre. 1996. L’Héritage Makhuwa au Mozambique. Paris: L’Harmattan.

Machado, A. 1943. Vida de Morte do Bandeirante. São Paulo: Martins.

Machado, Francisco de Lacerda. 1917. Vocabulário Regional colhido no Concelho das Lages: Ilha do Pico. Coimbra: Imprensa da Universidade.

Machado, Major A. J. De Mello. 1970. Entre os macuas de Angoche: historiando Moçambique. Lisboa: Prelo Editora.

Machado, Margarida Vaz do Rego. 2006. Uma fortuna do Antigo Regime. A casa comercial de Nicolau Maria Raposo de Amaral. Cascais: Patrimónia Histórica.

Machado, Marina M. 2013. «Duas gerações de caminhos pelos sertões: Fernão Dias Paes e Garcia Rodrigues Paes». In: Motta, Márcia; Serrão, José Vicente; Machado, Marina. (Org.). Em terras lusas: conflitos e fronteiras no Império Português. São Paulo: Editora Horizonte, p. 25-55.

Machado, Marina Monteiro. 2012. Entre fronteiras: posses e terras indígenas nos sertões (Rio de Janeiro, 1790-1824). Guarapuava: Unicentro.

Magalhães, Albano. 1907. Estudos coloniais. Coimbra: F. França Amado.

Magalhães, Joaquim Romero de. 2004. «Um novo método de governo: Francisco Xavier de Mendonça Furtado, Governador e Capitão-General do Grão-Pará e Maranhão (1751-1759», Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, 165, nº 424: 183-209.

Magalhães, Manuel J. 2013. Pequenos Reis e Grandes Honras: Culto, Poder e Estatuto na Índia Ocidental. Tese de Doutoramento. Lisboa: ISCTE-IUL.

Maia, Francisco Machado de Faria e. 1930. Um deportado da “Amazonas”: monografia histórica época liberal nos Açores (1810-1834). Ponta Delgada: Tip. Fernando de Alcântara.

Maia, Virgílio. 2004. Rudes brasões: ferro e fogo das marcas avoengas. 2ª ed. São Paulo: Ateliê Editorial.

Manso, Maria de Deus Beites. 2009. A Companhia de Jesus na Índia (1542-1622. Actividades Religiosas, Poderes e Contactos Culturais. Macau: Universidade de Macau e Universidade de Évora.

Marcos-Marin, Francisco. 1985. «Etymology and semantics. Theorical considerations apropos of an analysis of the etymological problem of Spanish Mañero, Mañeria». In Historical Semantics. Historical Word Formation, Jacek Fisiak (ed). Berlin: Mouton de Gruyter, 377-395.

Marques, A. H. de Oliveira. 2003. «Enquadramento histórico», in Atlas da Área Metropolitana de Lisboa, José António Tenedório (dir). Lisboa: AML, pp. 17-27.

Marques, Alfredo Pinheiro. 1994. «Pastel». In Dicionário de História dos Descobrimentos Portugueses, vol. II., dir. Luís de Albuquerque. Lisboa: Caminho, 862-863.

Marques, Cezar Augusto. 1870. Diccionario Historico-Geographico da Provincia do Maranhão. São Luís: Typ. do Frias.

Marques, Cezar Augusto. 1870. Diccionario Historico-Geographico da Provincia do Maranhão. São Luís: Typ. do Frias.

Marques, Guida. 2009. L’Invention du Brésil entre Deux Monarchies. Gouvernement et pratiques politiques de l’Amérique portugaise dans l’union ibérique (1580-1640). Thèse pour obtenir le grade de Docteur. Paris : ÉHESS.

Marques, João da Silva (ed.). 1988. Descobrimentos Portugueses: documentos para a sua história. Lisboa: INIC.

Marques, Teresa Cristina de Novaes. 2014. «Eram os senhores de engenhos caloteiros? Reflexões sobre o crédito e os direitos de propriedade no mundo luso». História Econômica & História de Empresas. vol. 17, nº 1, p.147-176.

Martinez, Francisco Lerma. 1989. O povo macua e a sua cultura. Lisboa: Ministério da Educação, Instituto de Investigação Científica Tropical.

Martini, Maria Luiza Filippozzi. 1993. Sobre o caboclo-camponês, ‘um gaúcho a pé’.  Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Sociologia. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Martinière, Guy. 1991. «A implantação das estruturas de Portugal na América (1620-1750)». In O império luso-brasileiro 1620-1750, coord. Frédéric Mauro, vol. VII da Nova História da Expansão Portuguesa, dir. de Joel Serrão, A. H. Oliveira Marques. Lisboa: Editorial Estampa, 93-264.

Martins, Cínthya da Silva. 2015. Bandos do Ceará: historicidade social, discursiva e documental (1670-1832). Curitiba: Editora Appris.

Martins, Conceição Andrade. 2002. «Rendeiro». In História do trabalho e das ocupações, coord. Nuno Madureira, vol. III, A Agricultura: Dicionário, org. Conceição Martins e Nuno Monteiro. Oeiras: Celta Editores, 102-108.

Matos, Artur Teodoro de (ed). 2001. O tombo de Damão, 1592. Lisboa: CNCDP e CEDG.

Matos, Artur Teodoro de (ed.). 2000. O Tombo de Chaul 1591-1592. Lisboa: CNCDP e CEDG.

Matos, Artur Teodoro de. 2006. «A Administração». In O Império Oriental (1660-1820), tomo I. org. Maria de Jesus dos Mártires Lopes. Lisboa: Editorial Estampa: 123-161.

Matos, Maria Leonor Correia de. 1965. «Notas sobre o direito de propriedade da terra dos povos angoni, acheua e ajaua da província de Moçambique». Memórias do Instituto de Investigação Científica de Moçambique, 7, s. C, 3-134.

Mauro, Frédéric. 1989. Portugal, o Brasil e o Atlântico. 1570-1670, Lisboa: Editorial Estampa, vol. 1.

Maxwell, Keneth. 1999. «A geração de 1790 e a ideia de império luso-brasileiro». Chocolate, piratas e outros malandros. Ensaios tropicais. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Mehta, Jaswant Lal. 2005. Advanced Study in the History of Modern India, 1707-1813. New Delhi: Sterling Publishers.

Mello, Evaldo Cabral de. 2001. A ferida de Narciso: ensaio de história regional. São Paulo: Editora SENAC.

Mello, Isabele de Matos Pereira de. 2011. Poder, administração e justiça: os ouvidores gerais no Rio de Janeiro (1624-1696). Rio de Janeiro: Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro.

Mello, José Antônio Gonsalves de, e Gilberto Freyre. 2001. Tempo dos flamengos: influencia da ocupação holandesa na vida e na cultura do norte do Brasil. Rio de Janeiro: Topbooks UniverCidade.

Mendes, A. Lopes. 1989. A India Portugueza. Breve descripção das possessões portuguezas da Asia. New Delhi/Madras: Asian Educational Services (reimpr.).

Mendonça, Marcos Carneiro de. 1963. A Amazónia na Época Pombalina – correspondência inédita do Governador do Estado do Grão-Pará e Maranhão Francisco Xavier de Mendonça Furtado (1751-1759). 3 vols. São Paulo: Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.

Meneses, Avelino de Freitas de. 1995. Estudos de História dos Açores. 2 vols. Ponta Delgada: Jornal de Cultura.

Meneses, Avelino de Freitas de. 2008. «Recursos, Excedentes e Carências», in História dos Açores. Do descobrimento ao século XX, dir. A. T. Matos, A. F. Meneses e J. R. Leite. Angra do Heroísmo: Instituto Açoriano de Cultura, vol. I, pp.141-172.

Meneses, Avelino Freitas de. 2011. «O vinho na História dos Açores: a introdução, a cultura e a exportação», in Arquipélago-História (Universidade dos Açores), 2ª Série, vol. 14-15, pp. 177-186.

Menezes, Avelino de Freitas. 2005. «O Arquipélago dos Açores. A Economia e as Finanças». In Nova História da Expansão Portuguesa, dir. Joel Serrão e A. H. de Oliveira Marques, vol. III, A Colonização Atlântica, tomo 1, org. Artur Teodoro de Matos. Lisboa: Editorial Estampa: 331-445.

Menezes, José Newton Coelho.  2007. «A terra de quem lavra e semeia: alimento e cotidiano em Minas Gerais». In: Villalta, Luiz Carlos & Resende, Maria Efigênia Lage de (orgs.). História de Minas Gerais: as Minas setecentistas, vol. 1. Belo Horizonte: Autêntica.

Mercadante, Paulo. 1973. Os sertões do Leste. Estudo de uma região: a Mata mineira. Rio de Janeiro: Zahar.

Miranda, Susana Münch. 2007. A Administração da Fazenda Real no Estado da Índia (1517-1640), dissertação de doutoramento. Lisboa: FCSH-UNL.

Miranda, Susana Münch. 2009. «Centre and periphery in the administration of the royal exchequer of Estado da India (1517-1640)», e-Journal of Portuguese History, Volume 7, number 2, Winter.

Miranda, Susana Münch. 2012a. «O governo da fazenda em disputa: reconfiguração e conflito na Casa dos Contos de Goa (1607-1614)». In Goa, Passado e Presente, org. A. T. Matos e J. T. Cunha, vol. 2. Lisboa: CEPCEP-UCP, pp. 721-739.

Miranda, Susana Münch. 2012b: «Entre o mérito e a patrimonialização: o provimento de oficiais na Casa dos Contos de Goa (séculos XVI e XVII)». In Cargos e ofícios nas monarquias ibéricas: provimento, controlo e venalidade (séculos XVII e XVIII), org. Roberta Stumpf e Nandini Chaturvedula. Lisboa: CHAM-UNL & UAç, 83-100.

Mizushima, Tsukasa, George Bryan Souza and Dennis O’Flynn (eds). 2014. Hinterlands and commodities. Place, space, time and the political economic development of Asia over the long eighteenth century. Leiden/Boston: Brill.

Moncada, Luís Cabral de. 1916-1917. A reserva hereditária  no direito peninsular e português. 2 vols. Coimbra: França & Arménio.

Monteiro, John Manuel. 1994. Negros da terra. Índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras.

Monteiro, John Manuel. 2000. Negros da terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras.

Monteiro, Nuno Gonçalo; Costa, Fernando Dores. 1999-2000. «As comendas das Ordens Militares do séc. XVII a 1830: algumas notas». Militarium Ordinum Analecta (Porto), nº 3/4, pp. 595-605.

Monteiro, Nuno. 1998. «Poderes Municipais e Elites Locais». In O Município no Mundo Português, coord. A. Vieira. Funchal: CEHA/SRTC, pp. 79-89.

Monteiro, Nuno. 2002. «Morgado». In História do Trabalho e das Ocupações, org. Nuno Madureira. Vol. III, A Agricultura: Dicionário, org. Conceição Martins e Nuno Monteiro. Oeiras: Celta Editores.

Moog, V. 1978. Bandeirantes e Pioneiros. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. (12ª edição)

Moraes Silva, Antonio. 1813. Diccionario da lingua portugueza, recompilado dos vocabularios impressos ate agora, e nesta segunda edição novamente emendado e muito acrescentado. (1ª ed 1789). Lisboa: Typographia Lacerdina.

Moreira, Vânia Maria Losada. 2014. «Terra, estratégias e direitos indígenas». Tempos Históricos, v. 18, pp. 30-47.

Morton, F.W.O. 1978. «The royal timber in late colonial Bahia». Hispanic American Historical Review. Vol. 58, nº 1: 41-61.

Mota, Antonia da Silva. 2012. As famílias principais: redes de poder no Maranhão colonial. São Luís: EdUFMA.

Mott, Luiz. 1985. Piauí colonial. População, economia e sociedade. Teresina: Projeto Petrônio Portella.

Motta, Márcia. 2009. Direito à terra no Brasil: a gestação do conflito, 1795-1824. São Paulo: Alameda.

Motta, Márcia. 2011. «Minha Casa, minha honra: Morgadios e conflito no Império Português». In Raízes do Privilégio: Mobilidade social no mundo ibérico do Antigo Regime, org. Rodrigo Bentes Monteiro et alii. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, pp 639-666.

Motta, Márcia. 2014. Right to land in Brazil. The gestation of the conflict 1795-1824. Niterói: EDUFF.

Motta, Márcia; Serrão, José Vicente; Machado, Marina, org. 2013. Em Terras Lusas: conflitos e fronteiras no Império Português. São Paulo: Horizonte.

Moura, Clóvis. 2013. Dicionário da Escravidão Negra no Brasil. São Paulo: Editora da USP.

Moura, Margarida Maria. 1988. Os deserdados da terra. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Muniz, João de Palma. 1916. «Delimitação intermunicipal do Estado do Grão-Pará». Annaes da Bibliotheca e Archivo Publico do Estado do Pará, tomo 9.

Muralt, Malou Von. 2006. «A árvore que se tornou país». Revista USP (São Paulo),  71: 171-198.

Nascimento, Augusto. 2002. Poderes e quotidiano nas roças de S. Tomé e Príncipe de finais de Oitocentos a meados de Novecentos. S. Tomé: SPI.

Negrão, José. 2001. Cem Anos de Economia da Família Rural Africana. Maputo: Promedia.

Neto, Margarida Sobral. 1997. Terra e conflito: região de Coimbra (1700-1834). Viseu: Palimage.

Neto, Margarida Sobral. 2010. O Universo da Comunidade Rural. Época Moderna. Coimbra: Terra Ocre.

Neves, Carlos Agostinho das. 1989. S. Tomé e Príncipe na segunda metade do século XVIII, Funchal/Lisboa: Secretaria Regional do Turismo, Cultura e Emigração / Instituto de História de Além-Mar.

Newitt, Malyn. 1973. Portuguese settlement on the Zambesi: Exploration, Land Tenure and Colonial Rule in East Africa. Londres: Longman.

Newitt, Malyn. 1997. A History of Mozambique. Londres: C. Hurst.

Nogueira, Gabriel Parente. 2010. Fazer-se nobre nas fímbrias do Império: práticas de nobilitação e hierarquia social da elite camarária de Santa Cruz do Aracati (1748-1804). Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Ceará. Fortaleza: UFC.

Novais, Fernando A.  1979. Portugal e Brasil na crise do antigo sistema colonial (1777-1808). São Paulo: Hucitec.

Nozoe, Nelson. 2014. «A aplicação da legislação sesmarial em território brasileiro», Estudios Historicos – CDHRPyB (Uruguay), VI, nr 12: [26 pp s/n].

Nunes, João Carlos. 2007. Paisagens Vulcânicas dos Açores. Ponta Delgada: Amigos dos Açores.

Olival, Fernanda. 2004. «Rigor e interesses: os estatutos de limpeza de sangue em Portugal», Cadernos de Estudos Sefarditas, 4, pp. 151-182.

Olival, Fernanda. 2005. «As Ordens Militares e o poder local: problemas e perspectivas de estudo». In Os municípios no Portugal Moderno. Dos forais manuelinos às reformas liberais, ed. M. S. Cunha e T. Fonseca. Lisboa: Colibri / CIDEHUS.UE, pp. 109-126.

Olival, Fernanda. 2009. «As comendas das Ordens Militares Portuguesas na Época Moderna: um ponto de situação historiográfico». In Comendas das Ordens Militares na Idade Média: actas do Seminário Internacional sobre Comendas das Ordens Militares. Porto: CEPESE, pp. 119-130.

Oliveira, Luís Pedroso de Lima Cabral de. 2014. A consagração dos naturais: direito(s) e elites naturais católicas em Goa (1780-1880). Dissertação de doutoramento em História do Direito. Lisboa: Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa.

Oliveira, Luís Pedroso de Lima Cabral de; Costa, Pedro do Carmo. 2010. «Na Dobragem do Meio Milénio: Elites e Genealogia na Oriental Lisboa». Raízes & Memórias, nr. 27: 55-112.

Oliveira, Luís Pedroso de Lima Cabral de; Costa, Pedro do Carmo. 2010. «Na Dobragem do Meio Milénio: Elites e Genealogia na Oriental Lisboa». Raízes & Memórias, nr 27: 55-112.

Oliveira, Luís Pedroso de Lima Cabral. 2013. «he homem pardo, mas para com os nacionaes he branco da terra. Dinâmicas e estratégias sociais e familiares da Luanda setecentista em três processos de habilitação para o Santo Ofício», Raízes e Memórias, 30: 169-202.

Ordenações Filipinas. 1985 [1603]. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian (reprodução fac simile da edição de Cândido Mendes de Almeida, 1870; 1ª ed. 1603).

Osório, Helen. 2007 O império português no sul da América: estancieiros, lavradores e comerciantes. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Papagno, Giuseppe. 1980. Colonialismo e Feudalismo: a questão dos prazos da coroa em Moçambique no fim do século XIX. Lisboa: A Regra do Jogo.

Pearson, Michael. 2003. The Indian Ocean. London: Routledge.

Pedreira, Jorge M. 2010. «Custos e Tendências Financeiras no Império Português, 1415-1822». In A Expansão Marítima Portuguesa, 1400-1800, dir. F. Bethencourt e D. R. Curto. Lisboa: Edições 70, pp. 53-91.

Pélissier, René. 2000. História de Moçambique: Formação e Oposição 1854-1918, vol. 1. Lisboa: Editorial Estampa.

Pélissier, René. 2007. Timor em Guerra. A Conquista Portuguesa. 1847-1913. Lisboa: Estampa.

Pelúcia, Alexandra. 2007. «Os funcionários administrativos do Estado da Índia na época de D. Manuel I», in O Reino, as Ilhas e o Mar Oceano. Estudos em Homenagem a Artur Teodoro de Matos, org. A.F. Meneses & J.P. Costa. Lisboa e P. Delgada: CHAM, vol. II, pp. 657-667.

Pereira, António Bernardo de Bragança. 1920. «O Sistema de Castas». O Oriente Portuguez, n.º 17: 10-43 e n.º 18: 73-84.

Pereira, António Bernardo de Bragança. 1940. Etnografia da India portuguesa. Bastorá: Tipografia Rangel.

Pereira, Cláudia. 2009. Casta, Tribo e Conversão: Os Gaudde de Goa. Tese de doutoramento. Lisboa: ISCTE-IUL.

Pereira, Edgar. 2013. Pombalismo, Jesuítas e a Terra nas Velhas Conquistas. Confisco e Redistribuição de Propriedade Fundiária na Goa Setecentista (1759-1777), Dissertação de Mestrado em História Moderna e dos Descobrimentos. Lisboa: FCSH-UNL.

Pereira, Eduardo C. N. 1989. Ilhas de Zarco, 4ª edição. Funchal: Câmara Municipal do Funchal.

Pereira, Fernando Jasmins. 1991. Estudos sobre a história da Madeira. org. Miguel Jasmins Rodrigues. Funchal: CEHA.

Pereira, Rui Gomes. 1981. Goa: Gaunkari. The Old Village Associations. Panjim: Printwell Press.

Perrone-Moisés, Beatriz. 2000. «Terras indígenas na legislação colonial». Revista da Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, v. 95, p. 107-120.

Pesavento, Fábio. 2006. «Novas perspectivas sobre o comércio de Anil no Rio de Janeiro Colonial: 1749-1820». Revista de História Econômica & Economia Regional Aplicada, vol. 1.01, pp. 2-20.

Pessoa, Ângelo. 2003. As ruínas da Tradição. A Casa da Torre de Garcia d Ávila. Família & Propriedade no Nordeste Colonial. Tese de Doutorado. São Paulo: USP.

Pieris, Paul E. 1920. The Kingdom of Jafanapatam 1645, being an account of its administrative organization as derived from the Portuguese Archives. Colombo: The Ceylon Daily News.

Pieris, Paul Edward. 1913-1914. Ceylon: the Portuguese era, being a history of the Island for the period 1505-1658. 2 vols. Colombo: Ceylon Apothecaries.

Pinheiro, Francisco José. 2008. Notas sobre a Formação Social do Ceará (1680-1820). Fortaleza: Ed. Ana Lima.

Pinto, Irineu Ferreira. 1977. Datas e notas para a história da Paraíba. João Pessoa: Editora Universitária.

Pinto, Luiz Maria da Silva. 1832. Diccionario da Lingua Brasileira. Ouro Preto: Tipografia da Silva.

Pinto, Ofélia; West, Brian. 2012. «Humans as cost objects: 18th century Portuguese slave trading». 13th World Congress of Accounting Historians. Newcastle Upon Tyne: 1-43.

Pires, Simeão Ribeiro. 1979. Raízes de Minas. Belo Horizonte: Minas Gráfica Editora.

Pissurlencar, Panduronga S. 1983. Portuguese-Mahratta Relations. Bombay: Maharashtra State Board for Literature and Culture.

Pissurlencar, Panduronga S. S. (coord). 1953-1957. Assentos do Conselho de Estado, 5 vols., Bastorá (Goa): Tipografia Rangel.

Pissurlencar, Panduronga. 1936. «O elemento hindu da casta chardó», Oriente Português, nr. 12-13, pp. 1-30.

Poliano, Luiz Marques. 1943. Ordens Honoríficas do Brasil (História, organização, padrões, legislação). Rio de Janeiro: Imp. Nacional, 1943.

Polónia, Amélia. 2010. «European seaports in the Early Modern Age: concepts, methodology and models of analysis». Cahiers de la Méditerranée, 80: 17-39.

Pombo, José Francisco da Rocha. 1922. História do Rio Grande do Norte. Rio de Janeiro: Annuario do Brasil.

Pombo, Nívia. 2013. «Unidade política e territorial nos projetos de D. Rodrigo de Sousa Coutinho». Motta, Márcia; Serrão, José Vicente; Machado, Marina (org.). Em terras lusas: conflitos e fronteiras no Império Português. Vinhedo, Editora Horizonte.

Pont, Raul. 1983. Campos realengos: formação da fronteira sudoeste do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Editora e Distribuidora Gaúcha.

População de Moçambique Segundo os Grupos Étnicos. S.d. ANTT (Lisboa, Portugal), SCCIM, nr. 26, f. 5.

Porto, Costa. 1965. Estudo sobre o Sistema Sesmarial. Recife: Imprensa Universitária.

Portugal, Tomás António de Vila-Nova. 1991. [1790]. «Memória sobre a cultura dos terrenos baldios que há no termo da Vila de Ourém». In Memórias Económicas da Academia Real das Ciências de Lisboa (1785-1815). Lisboa: Banco de Portugal, pp. 295-306.

Pouwels, Randall L. 1987. Horn and Crescent: Cultural change and Traditional Islam on the East African Coast, 800-1900. Cambridge: Cambridge University Press.

Prado Jr, Caio. 1942. Formação do Brasil contemporâneo. Colônia. São Paulo: Editora Livraria Martins.

Prado Jr, Caio. 1986. História Econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense.

Queiroz, Fernão de. 1916 [1687]. Conquista temporal e espiritual de Ceylão, ed. de P.E. Pieris. Colombo: H.C. Cottle, Govt. Printer.

Queiroz, Fernão de. 1916 [1687]. Conquista temporal e espiritual do Ceylão, ed. P. E. Pieris. Colombo: H. C. Cottle, Govt. Printer.

Quintal, Raimundo. 2011. «Levadas da Ilha da Madeira. Da epopeia da água ao nicho de turismo ecológico». AmbientalMENTE sustentable – Revista Científica Galego-Lusófona de Educación Ambiental, nr. 11-12, pp. 137-155.

Ranasinghe, R.A.W. 2014. «The Local Government in Ceylon: A Historical Perspective», International Journal of Science Commerce and Humanities, vol 2.05: 266-274.

Rau, Virgínia. 1951. A Casa dos Contos. Coimbra: Universidade de Coimbra.

Rau, Virgínia. 1982. Sesmarias Medievais Portuguesas. 2ª ed. Lisboa: Presença.

Reifschneider, Francisco José Becker et al. 2010. Novos Ângulos da História da Agricultura no Brasil. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica.

Reis, Arthur Cezar Ferreira. 1993 [1940]. A política de Portugal no vale amazônico. Belém: Secult.

Resende, Maria Leônia Chaves de. 2007. «Brasis coloniales: índios e mestiços nas Minas Gerais Setecentistas», in Resende, Maria Efigênia Lage de & Villalta, Luiz Carlos (orgs.). História de Minas Gerais: as Minas Setecentistas, vol. 1. Belo Horizonte: Autêntica.

Ribeiro Jr, José. 2004. Colonização e monopólio no Nordeste brasileiro: a Companhia Geral de Pernambuco e Paraíba, 1759-1780. São Paulo: Hucitec.

Ribeiro Jr., José. 1981. «A economia algodoeira em Pernambuco: da colônia à Independência», Revista Brasileira de História, vol. 2, (set. 1981) nº 1, pp. 235-242.

Riley, Carlos Guilherme. 2001. «José do Canto: retrato de um cavalheiro na primavera da vida». Arquipélago – História, 2.ª série, V: 211-264.

Rita-Ferreira, António. 1975. Povos de Moçambique: História e Cultura. Porto: Afrontamento.

Rita-Ferreira, António. 1982. Fixação Portuguesa e História Pré-colonial de Moçambique. Lisboa: IICT.

Rocha, Manuel Antonio Coelho da. 1848. Instituições de direito civil portuguez, 2ª ed. Coimbra: Imprensa da Universidade.

Rodrigues, Eugénia. 1998. «Os portugueses e o Bive: um caso de formação de prazos nos Rios de Sena no século XVIII». In Actas do Seminário Moçambique: Navegações, Comércio e Técnicas. Lisboa: CNCDP, 235-259.

Rodrigues, Eugénia. 2000. «Chiponda, ‘a senhora que tudo pisa com os pés’. Estratégias de poder das donas dos prazos do Zambeze no século XVIII». Anais de História de Além-mar, v. I, 101-132.

Rodrigues, Eugénia. 2001. «Mercadores, Conquistadores e Foreiros: a construção dos prazos dos Rios de Cuama na primeira metade do século XVII». In Vasco da Gama. Homens, Viagens e Culturas, coord. J. R. Magalhães e J. M. Flores. Lisboa: CNCDP, v. 1, 443-480.

Rodrigues, Eugénia. 2002. Portugueses e Africanos nos Rios de Sena. Os prazos da Coroa nos séculos XVII e XVIII. Dissertação de Doutoramento em História dos Descobrimentos e da Expansão Portuguesa. Lisboa: FCSH-UNL.

Rodrigues, Eugénia. 2006. «A agricultura: entre as comunidades de aldeia e os empreendimentos estatais». In O Império Oriental. 1660-1820, coord. M. J. M. Lopes, vol. V da Nova História da Expansão, dir. de J. Serrão e A. H. O. Marques. Lisboa: Editorial Estampa, I, 449-510.

Rodrigues, Eugénia. 2013. «Cruzamentos entre a História do Brasil e de Moçambique: terra, lei e conflito no final do período moderno». In Em terras lusas: conflitos e fronteiras no Império Português, org. M. Motta, J. V. Serrão e M. Machado. São Paulo: Editora Horizonte, p. 291-319.

Rodrigues, Eugénia. 2013. Portugueses e Africanos nos Rios de Sena: Os Prazos da Coroa em Moçambique nos Séculos XVII e XVIII. Lisboa: INCM.

Rodrigues, José Damião. 2003. São Miguel no século XVIII: casa, elites e poder, 2 vols. Ponta Delgada: Instituto Cultural de Ponta Delgada.

Rodríguez-Penelas, Horacio. 2008. «Francisco de Vitoria: la cuestion del domínio en la primera relección de Indis». In Ley y dominio em Francisco de Vitoria, ed. Juan Cruz. Navarra: Eunsa, pp. 165-174.

Rolim, Leonardo Cândido. 2012. “Tempo das carnes” no Siará Grande: dinâmica social, produção e comércio de carnes secas na vila de Santa Cruz do Aracati (c. 1690 – c. 1802). Dissertação de mestrado em História (PPGH-UFPB). João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba.

Roque, Ricardo e Wagner, Kim. 2011. «Introduction: Engaging Colonial Knowledge». In Ricardo Roque and Kim Wagner (eds.). Engaging Colonial Knowledge. Reading European Archives in World History. Basingstoke: Palgrave Macmillan, pp. 1-32.

Roque, Ricardo. 2012. «A voz dos bandos: colectivos de justiça e ritos da palavra portuguesa em Timor Leste colonial», Mana, vol. 18.03: 563-594.

Rosa, Maria de Lurdes. 1995. O Morgadio em Portugal. Séculos XIV-XV. Lisboa: Editorial Estampa.

Rubinoff, Janet. 1997. Caste and Comunidade: The Transformation of Corporate Agrarian Structures in Goa, India. PhD dissertation. University of Toronto.

Russel-Wood, A. J. R. 1998. «Centros e periferias no mundo luso-brasileiro, 1500-1800», Revista Brasileira de História, V. 18, n. 36, pp. 187-250.

Sá, Isabel dos Guimarães, 1997. Quando o Rico se Faz Pobre: Misericórdias, caridade e poder no Império Português, 1500-1800. Lisboa: CNCDP.

Sabea, Hanan. 2008. «Mastering the landscape? Sisal plantations, Land, and Labor in Tanga Region, 1893-1980s», Journal of Historical Sociology, vol. 23, n.º 1: 144-170.

Saldanha, António Vasconcelos de (ed.). 1984. As cartas de Manuel de Saldanha, 1º conde da Ega e 47º Vice-Rei da Índia para Sebastião José de Carvalho e Melo e seus irmãos (1758-1765): subsídios para a história política, económica e social da Índia Portuguesa de Setecentos. Lisboa: GPEH.

Saldanha, António Vasconcelos de. 1989. A Índia Portuguesa e a Política do Oriente de Setecentos: Manuel de Saldanha, 1º conde da Ega e 47º Vice-Rei da Índia. Lisboa: Alfa.

Saldanha, António Vasconcelos de. 1992. As Capitanias. O Regime Senhorial na Expansão Ultramarina Portuguesa.  Funchal: SRTCE.

Saldanha, António Vasconcelos de. 1997. Iustum Imperium, Dos tratados como fundamento do império dos portugueses no Oriente. Lisboa: Fundação Oriente e Instituto Português do Oriente.

Saldanha, António Vasconcelos de. 2001. As capitanias do Brasil. Antecedentes, desenvolvimento e extinção de um fenômeno atlântico. Lisboa: CNCDP (1ª ed. 1992).

Saldanha, F. B. 1909. As Communidades de Goa. Bastora: Typographia Rangel.

Salgado, Graça. 1985. Fiscais e Meirinhos: a administração no Brasil colonial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Sampaio, Antonio Carlos Jucá de. 2003. Na encruzilhada do Império. Hierarquias sociais e conjunturas econômicas no Rio de Janeiro (c.1650-c.1750). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional.

Sampaio, Patrícia. 2011. Espelhos Partidos. Etnia, legislação e desigualdade na Colônia. Manaus: Editora da Universidade do Amazonas.

Santa Maria, Frei Agostinho. 1707-1723. Santuario Mariano, e Historia das Images milagrosas de Nossa Senhora, E das milagrosamente apparecidas, em graça dos Prègadores, & dos devotos da mesma Senhora. Lisboa: Officina de Antonio Pedrozo Galrão.

Santos, Catarina Madeira. 1999. “Goa é a chave de toda a Índia”. Perfil político da capital do Estado da Índia (1505-1570), Lisboa: CNCDP.

Santos, Fabiano Vilaça dos. 2008. O governo das conquistas do norte: trajetórias administrativas no Estado do Grão-Pará e Maranhão (1751-1780). Tese de Doutoramento em História, Universidade São Paulo.

Santos, Frank. 1913. «Relatorio da minha viagem a Timor (Territorio Portuguez)». Revista Colonial. Anno I, 25 Nov.: 30-36.

Santos, Maria Emília Madeira (coord). 2002. História Geral de Cabo Verde, vol. III. Lisboa e Praia: IICT e INIC.

Santos, Rui. 2003. Sociogénese do latifundismo moderno: mercados, crises e mudança social na região de Évora, séculos XVII a XIX. Lisboa: Banco de Portugal.

Santos, Rui. 2012. «Direitos de propriedade fundiária e estratificação social rural: um contributo sociológico». In Estudos em homenagem a Joaquim Romero de Magalhães: economia, instituições e império, ed. Á. Garrido, L. F. Costa e L. M. Duarte. Coimbra: Almedina, 277-293.

Saragoça, Lucinda. 2000. Da ‘Feliz Lusitânia’ aos confins da Amazónia (1615-1662). Lisboa/Santarém: Cosmos/CMS.

Saraiva, Cunha. 1938. Companhias Gerais de Comércio e Navegação para o Brasil. Lisboa: Sociedade Nacional de Tipografia.

Sardo, Susana. 2011. Guerras de Jasmim e Mogarim. Música, Identidade e Emoções em Goa. Lisboa: Leya.

Schwartz, Stuart B. 1979. Burocracia e sociedade no Brasil colonial. São Paulo: Editora Perspectiva.

Schwartz, Stuart B. 2003. «Tapanhuns, negros da terra e curibocas: causas comuns e confrontos entre negros e indígenas», Afro-Ásia, n. 29/30, pp. 13-40.

Schwartz, Stuart B. 2008. Segredos internos: engenhos e escravos na sociedade colonial, 1550-1835, 2ª ed. São Paulo: Companhia das Letras (1ª ed: 1988).

Schwartz, Stuart. 2001. Escravos, roceiros e rebeldes. Bauru: Edusc.

Serafim, Cristina Maria Seuanes. 2000. As ilhas de São Tomé no século XVII, Lisboa: Centro de História de Além-Mar.

Serra, Carlos (dir.). 2000. História do Moçambique. Maputo: Livraria Universitária Universidade Eduardo Mondlane.

Serra, Carlos. 2000. História de Moçambique: primeiras sociedades sedentárias e impacto dos mercadores, 200/300-1885 e a agressão imperialista, 1886-1930. Maputo: Livraria Universitária, Universidade Eduardo Mondlane.

Serrão, José Vicente. 1993. «O quadro económico: configurações estruturais e tendências de evolução». In: História de Portugal, dir. J. Mattoso, Vol. IV, O Antigo Regime, coord. A. M. Hespanha. Lisboa: Círculo de Leitores, pp. 71-117.

Serrão, José Vicente. 2000. Os campos da cidade. Configuração das estruturas fundiárias da região de Lisboa nos finais do Antigo Regime. Dissertação de doutoramento. Lisboa: ISCTE.

Serrão, José Vicente. 2002. «Os nomes da terra: sobre o padrão predial dos campos de Lisboa no século XVIII», Ler História, 43: 85-124.

Serrão, José Vicente. 2009. «Land management responses to market changes: Portugal, seventeenth-nineteenth centuries». In: Markets and Agricultural Changes in Europe, from the 13th to the 20th Century, ed. V. Pinilla. Turnhout: Brepols Publishers, pp. 47-73.

Silva, Andrée Mansuy-Diniz. 2003-2006. Portrait d’un homme d’état, D. Rodrigo de Sousa Coutinho, comte de Linhares, 1755-1812. 2 vols. Paris: Centre Culturel Calouste Gulbenkian.

Silva, António Correia e. 1991. «Espaço, ecologia e economia interna». In História Geral de Cabo Verde, vol. I, coord. L. Albuquerque e M. E. Madeira Santos. Lisboa-Praia: CEHCA, IICT, DG Património Cultural de Cabo Verde, pp. 179-236.

Silva, António Correia e. 1995. Histórias de um Sahel Insular. Praia: Spleen Edições.

Silva, António Correia e. 2002. «Dinâmicas de decomposição e recomposição de espaços e sociedades». In História Geral de Cabo Verde, vol. III, coord. M. E. Madeira Santos. Lisboa-Praia: IICT- INIPPCV, pp. 1-66.

Silva, Chandra R. de. 1970. «Lançarote de Seixas and Madampe: a Portuguese Casado in a Sinhalese village». Modern Ceylon Studies, vol. II: 24-38.

Silva, Cristina Nogueira. 1998. O Modelo Espacial do Estado Moderno, Reorganização Territorial em Portugal nos Finais do Antigo Regime. Lisboa: Editorial Estampa.

Silva, Daniel B. Domingues da. 2008. «The Atlantic Slave Trade to Maranhão, 1680-1846». Slavery and Abolition, vol. 29, n. 4: 477-501.

Silva, Fernando Augusto da. 1950. Vocabulário Madeirense. Funchal: Junta Geral do Funchal.

Silva, Fernando Augusto da. 1978. Elucidário madeirense. 4ª ed. (org. Carlos de Azevedo Meneses). Funchal: Secretaria Regional de Educação e Cultura (1ª ed: 1921).

Silva, Fernando Augusto da; Meneses, Carlos Azevedo de. 1965. Elucidário Madeirense. 3 vols. Funchal: Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal. (1ªed: 1921).

Silva, Francisco C. Teixeira da. 1990. A Morfologia da Escassez: crises de subsistência e política econômica no Brasil colônia (Salvador e Rio de Janeiro, 1680-1790). Tese de doutoramento. Niterói: UFF/ICHF/PPGHIS.

Silva, J. G. Montalvão e. 1910. A mão d’obra em Timor. Breve memória sobre o seu territorio, clima, producção, usos e costumes indigenas, industria, agricultura e commercio. Lisboa: Typographia A Editora.

Silva, Joaquim Lino da. 1998. O “Zea Mays” e a Expansão Portuguesa. Lisboa: IICT.

Silva, Maria Beatriz Nizza da. 1994. «Administração judiciária». In Dicionário da História da Colonização Portuguesa no Brasil, coord. M.B.N. Silva. Lisboa: Verbo. pp. 24-25.

Silva, Maria Beatriz Nizza da. 2005. Ser nobre na colônia. São Paulo: UNESP.

Silva, Silvestre. 2013. Árvores nativas do Brasil. S. Paulo: Editora Europa, v. 1, 18-20.

Silva, Silvio Simione da. 2010. «Caboclo». In Dicionário da terra, org. Márcia Motta, 2a ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 68-70.

Silveira, Luís Nuno Espinha da. 1997. Território e Poder. Nas origens do Estado Contemporâneo em Portugal. Cascais: Patrimonia.

Simonsen, Roberto C. 2005. História Econômica do Brasil, 1550-1820. 4ª ed., Brasília: Senado Federal.

Soares, Eliane Cristina Lopes. 2010. Família, compadrio e relações de poder no Marajó (séculos XVIII e XIX). Tese de doutoramento em História, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Soares, Maria João. 2013. «De ‘baços e pretos’ a ‘brancos da terra’. A elite mestiça de Santiago de Cabo Verde (séculos XVI-XVIII)». In: Mestiçagens e identidades intercontinentais nos espaços lusófonos, coord. M. Lobato e M. D. Manso. Lisboa: NICPRI: 15-28.

Soffiati, Arthur. 2004. «Manguezais e conflitos sociais no Brasil Colônia». Anais do II Encontro da ANPPAS, 26-29 de maio, Indaiatuba, São Paulo.

Sousa, Bernardino José de. 1978. O Pau-Brasil na História Nacional. 2ª ed.. São Paulo: Companhia Editora Nacional/MEC.

Sousa, Élvio Duarte Martins. 2012. Ilhas de Arqueologia. O Quotidiano e a civilização material na Madeira e nos Açores (séculos XV-XVIII). Tese de doutoramento em Historia Regional e Local. Lisboa: FLUL.

Sousa, Fernando Aires de Medeiros. 1982. José do Canto. Subsídios para a História Micaelense (1820-1898). Ponta Delgada: Universidade dos Açores.

Sousa, João Silva de. 1991. A Casa Senhorial do Infante D. Henrique. Lisboa: Livros Horizonte.

Sousa, João Silva de. 2001. «O ducado de Viseu no século XV», Anais de História de Além-Mar, vol. 2, 139-156.

Sousa, Joaquim José Caetano Pereira. 1825-1827. Esboço de hum diccionario jurídico, theoretico, e practico, remissivo ás leis compiladas, e extravagantes. 3 vols. Lisboa. Typographia Rollandiana.

Sousa, Rita Martins de. 2006. Moeda e Metais Preciosos no Portugal Setecentista (1688-1797). Lisboa: INCM.

Souza, Carmo D’. 2000. A identidade goesa de Ângela. Lisboa: Edições Cotovia/Fundação Oriente.

Souza, Gabriel Soares de. 1851. Tratado descriptivo do Brazil em 1587. Rio de Janeiro: Typographia Universal de Laemmert.

Souza, Laura de Mello e. 2006. O Sol e a Sombra – Política e administração na América portuguesa do século XVIII. São Paulo: Companhia das Letras.

Souza, Teotónio de. 1975. «Xenddi Tax: a phase in the Luso-Hindu relations in Goa (1704-1841)», in Studies in the foreign relations of India, org. P.M. Joshi. Hyderabad, 463-471.

Souza, Teotónio de. 1993. Goa Medieval. A Cidade e o Interior no Século XVII. Lisboa: Editorial Estampa.

Stoler, Ann Laura. 2002. «Colonial Archives and the Arts of Governance», Archival Science, 2: 87-100.

Stoler, Ann Laura. 2009. Along the Archival Grain. Epistemic Anxieties and Colonial Common Sense. Princeton: Princeton University Press.

Studart, Guilherme. 2001. Datas e Fatos para a História do Ceará. Fortaleza: Fundação Waldemar Alcântara.

Subrahmanyam, Sanjay. 1995. O Império Asiático Português, 1500-1700. Uma História Política e Económica. Lisboa: Difel.

Subrahmanyam, Sanjay. 1997. «O Romântico, o Oriental e o Exótico: Notas sobre os Portugueses em Goa». In: Histórias de Goa, org. R. Perez & J. Pais de Brito. Lisboa: Museu Nacional de Etnologia.

Subtil, José. 1998. «Os Poderes do Centro». In: História de PortugalO Antigo Regime, Vol. IV, coord. António Hespanha. Lisboa: Estampa, pp. 155-156.

Subtil, José. 2010. Dicionário dos Desembargadores: 1640-1834. Lisboa: EDIUAL.

Tapajós, Vicente. 1981. O regime das capitanias hereditárias. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Taunay, Affonso. 1926. Índios! Ouro! Pedras! Antônio Raposo Tavares, Fernão Dias Paes Leme. A Glória das Monções. São Paulo: Editora Melhoramentos.

Tavares, Joao de Lyra. 1989. Apontamentos para a Historia Territorial da Parahyba. Mossoro: Escola Superior de Agricultura de Mossoro.

Teixeira, André. 2010. Baçaim e o seu território: Política e Economia (1534-1665). Dissertação de Doutoramento em História. Lisboa: FCSH-UNL.

Teixeira, André; Torrão, Maria Manuel. 2005. «Povoamento, administração, economia e sociedade». In Nova História da Expansão. vol. III, dir. de Joel Serrão e de A. H. de Olveira Marques, tomo II, A colonização atlântica, coord. de Artur Teodoro de Matos. Lisboa: Estampa, pp. 13-203.

Telles, José Homem Correa. 1815. Theoria da Interpretação das leis e ensaio sobre a natureza do censo consignativo. Lisboa: Typografia Lacerdina.

Tenreiro, Francisco José. 1961. A ilha de São Tomé. Lisboa: Junta de Investigações do Ultramar.

Thomaz, L. F. 1973. «Vida Rural Timorense», Geographica 33 (Jan): 3-30.

Thomaz, Luís Filipe. 1989. «Estruturas quasi-feudais na Expansão Portuguesa», in Actas do I Colóquio Internacional de História da Madeira. Funchal: Governo Regional Madeira, 80-87.

Thomaz, Luís Filipe. 1994. «Estrutura política e administrativa do Estado da Índia no século XVI», in De Ceuta a Timor. Lisboa: Difel, 207-243.

Thomaz, Manoel Fernandes. 1815-1819. Repertorio geral ou indice alphabetico das Leis extravagantes do reino de Portugal. Coimbra: Imprensa real da universidade.

Torrão Filho, Amílcar. 2007. Paradigma do caos ou cidade da conversão? São Paulo na administração do Morgado de Mateus (1765-1775). São Paulo: Annablume.

Torres, João Carlos. 1883. Memórias histórico-genealógicas dos duques portuguezes do século XIX. Lisboa: Academia Real das Ciências.

Treviño, Rigoberto Gerardo Ortiz. 2009. «El derecho de los indios americanos en la historia de los derechos humanos». Revista del Centro Nacional de Derechos Humanos, n. 12, pp. 77-102.

Trigoso, Sebastião Francisco de Mendo. 1991 [1815]. «Memória sobre os pesos e medidas portuguesas, e sobre a introdução do sistema metro-decimal». In: Memórias económicas da Academia Real das Ciências de Lisboa (1789-1815), 2ª ed. Lisboa: Banco de Portugal, vol. V, pp. 253-305 (1ª ed 1815).

Ukers, William H. 2007. All About Tea. EUA: Martino Publishing.

Ulrich, Ruy. 1909. Política Colonial. Coimbra: Imprensa da Universidade.

Vail, Leroy e White, Landeg. 1980. Capitalism and Colonialism in Mozambique: A Study of Quelimane District. Londres: Heinemann.

Vail, Leroy. 1976. «Mozambique’s Chartered Companies: The Rule of the Feeble». The Journal of African History, 17, n.º 3: 389-416.

Valá, Salim C. 2003. A Problemática da Posse da Terra na Região Agrária de Chókwè. Maputo: Promédia.

Valasco, Álvaro Vaz. 1590. Quaestionum iuris emphyteutici. Lisboa.

Valdez, Luiz Travassos. 1856. Noticia sobre os Pesos, Medidas e Moedas de Portugal e suas possessões ultramarinas e do Brazil comparando os antigos systemas com o novo systema metrico decimal. Lisboa: Imprensa Nacional.

Van Cleef, Eugene. 1941. «Hinterland and Umland». Geographical Review, 31.02, pp. 308-311.

Varela, Laura Beck. 2005. Das Sesmarias à Propriedade Moderna: Um Estudo de História do Direito Brasileiro. Rio de Janeiro: Renovar.

Vargas, José Manuel. 1994. «Anil». In Dicionário de História dos Descobrimentos Portugueses, org. L. Albuquerque e F. C. Domingues. Lisboa: Círculo de Leitores, vol 1, pp. 73-74.

Varnhagen, Francisco Adolfo de. 1981. História Geral do Brasil: Antes de sua Separação e Independência de Portugal, 10ª ed. Belo Horizonte e São Paulo: Ed. Itatiaia e EDUSP. (1ª ed. 1854-1857).

Velloso, José Mariano. 1800. Relação das moedas dos paizes estrangeiros, com o valor de cada huma, reduzido ao dinheiro Portuguez para o uso dos commerciantes. Lisboa: Casa Literária do Arco do Cego.

Veloso, Ana Luísa. 1988. A Ilha do Pico e a paisagem dos muros negros. Horta: Secretaria Regional dos Transportes e Turismo, Direção Regional de Turismo.

Venâncio, Renato Pinto. 1999. «Caminho Novo: a longa duração». Vária História (Belo Horizonte), nº 21: 181-189.

Veríssimo, Nelson. 2001. «Em defesa dos recursos naturais de Machico: a proibição de esmoutadas em 1673», Islenha, 29, pp. 61-73.

Viana, Hélio. 1948. «A última capitania hereditária do Brasil (1685)». In Estudos de História Colonial. São Paulo: Companhia Editora Nacional: 300-314.

Viana, Mário. 2007. «Posturas Municipais e organização do espaço nos Açores. Análise comparada das ilhas do Faial e de São Jorge (séculos XVII-XVIII)». In: O Faial e a Periferia Açoriana nos Séculos XV a XX, pp. 101-118.

Vieira Junior, Antonio Otaviano. 2004. Entre Paredes e Bacamartes. Fortaleza: Ed. Demócrito Rocha, São Paulo: HUCITEC.

Vieira, Alberto. 2003. A vinha e o vinho na História da Madeira: séculos XV-XX. Funchal: CEHA.

Vieira, Alberto. 2015. Levadas. Os caminhos da água na Madeira. Funchal: Centro de Estudos de História do Atlântico.

Viterbo, Joaquim de Santa Rosa de. 1983-1984. Elucidário das palavras, termos e frases que em Portugal antigamente se usaram e que hoje regularmente se ignoram. 2 vols, 3ª ed [1ª ed 1798].  Porto: Civilização.

Walker, Timothy. 2007. «Slave labor and chocolate in Brazil: the culture of cacao plantations in Amazonia and Bahia (17th-19th centuries)». Food & Foodways (Philadelphia), vol. 15, pp. 85-89.

Wehling, Arno e Maria José Wehling. 2004. Direito e Justiça no Brasil Colonial: o Tribunal da Relação do Rio de Janeiro (1751-1808). Rio de Janeiro: Editora Renovar.

Westcott, Nicholas. 1984. «The East African sisal industry, 1929-1949: The marketing of a colonial commodity during Depression and War», The Journal of African History, vol. 25, n.º4: 445-461.

Wink, André. 1986. Land and sovereignty in India. Agrarian Society and Politics under the Eighteenth-century Maratha Svarajya. Cambrige: Cambridge University Press.

Wissenbach, Maria Cristina Cortez. 2011. «As Feitorias de Urzela e o Tráfico de Escravos: Georg Tams, José Ribeiro dos Santos e os negócios da África Centro-Ocidental na década de 1840», Afro-Ásia, 43: 43-90.

Xavier, Ângela Barreto. 2008. A Invenção de Goa. Poder Imperial e Conversões Culturais nos Séculos XVI e XVIII. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.

Xavier, Filipe Nery. 1846. «O Estado da India. Noção historica de Goa». O Gabinete Litterario das Fontainhas, nrs. 4 a 11.

Xavier, Filippe Nery (ed). 1856. Instruções do Exmo. Vice-Rei Marquês de Alorna ao seu sucessor, o Exmo. Vice-Rei Marquês de Távora, Nova Goa: Imprensa Nacional.

Xavier, Filippe Nery. 1840. Collecção de bandos e outras differentes providencias que servem de leis regulamentares para o Governo Economico, e Judicial das provincias denominadas Novas Conquistas. Pangim: Imprensa Nacional.

Xavier, Filippe Nery. 1856. Defensa dos Direitos das Gão-Carias, Gão-Cares, e dos seus seus Privilégios, contra a Proposta de sua Dissolução e Divisão das suas terras. Nova Goa: Imprensa Nacional.

Xavier, Filippe Nery. 1866. Descripção do coqueiro, arequeira, arroz e moedas de Goa. Nova Goa: Imprensa Nacional.

Xavier, Filippe Nery. 1903. Bosquejo histórico das communidades das aldeas dos concelhos das Ilhas, Salsete e Bardez. 2ª ed. rev. e acrescentada por José Maria de Sá. Bastorá: Typ. Rangel.

Xavier, Maico Oliveira. 2010. ‘Cabôcullos são os brancos’: dinâmicas das relações sócio-culturais dos índios do Termo da Vila Viçosa Real, Século XIX. Dissertação de Mestrado, PPGH. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará.

Yule, Henry; Burnell, A. Coke. 1903. Hobson-Jobson: A glossary of colloquial Anglo-Indian words and phrases, and of kindred terms, etymological, historical, geographical and discursive, ed. William Crooke. London: J. Murray. (1st ed. 1886).

Zamparoni, Valdemir. 1998. Entre narros & mulungos: Colonialismo e paisagem social em Lourenço Marques, c. 1890-c. 1940. Tese de doutoramento. São Paulo: USP-FFLCH.

 

Anúncios